Amantes

Coisa de menino. Coisa de menina. Será?

Anúncio sexista 55499

Se você continuar a navegar o site, você aceita o uso de cookies. Se você continuar a utilizar o site, você aceita o uso de cookies. Da série por o pau na mesa, bonitinha, mas mandona e outros problemas sexistas de linguagem que precisamos começar a evitar. Início Conheça mais Entrar Cadastre-se. O slideshow foi denunciado. Próximos SlideShares. Inicie em.

O que é ser sexista?

Contra assédio e pelo amor ao futebol, torcedoras se juntavam para acompanharem jogos no Rio antes da pandemia. Elas denunciam o desrespeito que é ouvir piadas de cunho sexista no universo do futebol e reclamam de lidarem com casos de assédio nas arquibancadas. Cansadas, algumas torcedoras cariocas decidiram se unir. Entre torcedoras de 18 e 28 anos, o coletivo se junta nas partidas e busca evitar os assédios. Samanta Alves, membro do tribo e ex-apresentadora da Botafogo TV, revelou ter sofrido por apenas seguir o Glorioso. Eu gelei! Só pedi pra trocar de lugar com meu camarada. Juntas, elas buscam igualdade na arquibancada e apoio aos times dos esportes femininos do clube.

Incentivo antes do ensino superior

A novidade era que, pela primeira vez em anos de existência, uma mulher, Liedi Bernucci, ia dirigir uma das mais tradicionais escolas de engenharias do país. Como as instituições de ensino superior devem reagir a estes fatos? É importante para elas desenvolverem a autoestima, pois juntas ficam mais fortes. A insegurança — causada pela lacuna de incentivos e modelos — foi um dos tópicos mais comentados do workshop Mulheres Líderes na Tecnologia, realizado pela consultoria Upwit Unlocking the Power of Women for Innovation and Transformation em parceria com a Cia de Talentos. O incentivo ao empreendedorismo, cada vez mais presente nos cursos de exatas, é outra forma de estimular as alunas e trabalhar com a autoconfiança. A necessidade de se ter referências profissionais dentro das IES é uma política que vem ganhando merecimento. A simples presença de uma professora ajuda muito na autoestima e crédito das alunas, com reflexos inclusive no desempenho acadêmico. Outra iniciativa nesse teor é o projeto Força Meninas, que estimula o desenvolvimento de competências socioemocionais e de lideranças femininas por método de workshops para meninas de 6 a 18 anos. Se fosse no ensino fundamental, a atitude seria atenuada pela pouca idade e maturidade dos envolvidos, mas ainda assim repreensível.

Leave a Reply

Your email address will not be published.